quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Jorge

Jorge. Dificilmente um brasileiro poderia ter nome mais característico. Negro, pobre, semialfabetizado, ganha a vida como pedreiro, bombeiro e pintor além de algum outro bico que possa fazer. Sustenta os filhos e enteados assim.

Alcoólatra, hoje só toma refrigerante mas chegou a dormir na porta de bar para poder fazer a faxina e ganhar uma pinga como pagamento. Quando pedia um pão com manteiga a alguém, lhe ofereciam mais pinga para que ele "morrese de uma vez". Se salvou com a religião mas não entrou para a igreja. Foi chamado uma vez por uma vizinha insistente e ao ser convidado a aceitar Jesus, na frente de todos, recusou. A incrédula vizinha perguntou por que ele tinha ido à igreja então e provavelmente ouviu uma das respostas mais honestas da sua vida:

"Vim porque você me aporrinhou para eu vir, no dia que eu sentir que quero Jesus no meu coração vou fazer isso com o maior prazer."

Jorge é uma figura. Conta rindo as surras que levava da mãe, que o levantava pelas orelhas antes de dar os tapas. Ele não sabe bem quando nasceu, parece que tem duas cerdidões de nascimento, até pouco tempo atrás errava a idade até que minha mãe disse quantos anos ele tinha.

Ele é feio, muito feio. Uma vez contou para os outros peões que uma "dona" no elevador tinha ficado olhando para ele, contou isso insinuando uma certa cobiça. E outro peão não o perdoou:

"Ela deve ter ficado com medo de você assaltar ela."

E mais uma vez Jorge riu da própria cara. Agora quando uma "dona" olha, ele fica na dúvida se ela gostou ou estava com medo de assalto. Ele não é do tipo que anda desarrumado, não mete medo, por mais feio que seja, mas uma vez ele imitou um assaltante e eu quase entreguei tudo que tinha nos bolsos!!

Jorge vive confundindo o nome das coisas. Uma vez comentou com minha mãe que os filhos tinham adorado o "frango empalhado" que levou para eles comerem. Foi corrigido (É empanado, Jorge) e caiu na gargalhada. Outra vez perguntou se tinha formol lá em casa. Achei estranho o pedido, fui ver e ele ainda me perguntou se eu sabia o que era e explicou:

- É aquilo que a gente usa na madeira com o martelo... (imitando o gesto)
- Isso é FORMÃO, Jorge!!

Claro que ele riu de novo e ele tem uma gargalhada engraçada, característica. Outra coisa engraçada de se ver é ele dançando estilo anos 70, James Brown, quando o chamavam de Tony Tornado e ele usava black power e sapato cavalo de aço! Aliás, até hoje ele ainda tem um pouco da carapinha.

Uma vez estávamos esvaziando um armário lá de casa cheio velharias da minha avó e ele queria tudo, até panelas velhas e amassadas. Questionamos isso, achamos exagero e ele explicou:

"É que lá por onde eu moro tem gente que não tem nem panela, cozinha dentro de lata de leite, aí eu dou essas panelas pra eles."

Há uns dois anos ele sofreu um acidente. Era véspera de Natal e ele estava cortando umas tábuas em casa, a serra elétrica travou, deu um coice e cortou três dedos de sua mão esquerda. O estrago foi feio, os médicos conseguiram reimplantar os dedos mas um não ficou e teve que ser amputado. Sem que ele pudesse recuperar os movimentos e com a mão modificada para os três dedos, diz que é dedo duro e acha graça em imitar o ET. Continua trabalhando, com um pouco de dificuldade, e sempre ri da própria cara!

5 comentários:

Gesis disse...

Deve ser um cara gente boa!
Dá até vontade de conhece-lo.
Beijos

Aline disse...

É, quanta gente assim a gente encontra por aí. Gente cheia de alegria de viver, por maiores que sejam as adversidades da vida... admiro isso, porque a gente vive reclamando de coisas tão pequenas e muitas vezes não olhamos para o lado.

Ah, oi prazer, to passando por aqui pela primeira vez.

Bjos e volto sempre viu?
Depois passa no meuzinho.

Moça disse...

Esse é o cara!
Nem eu que as vezes estou na depre e me animo sozinha seria capaz de aguentar tudo o que ele viveu.
Ainda bem que ele é assim, alegre, pra cima...

Adão Braga disse...

Em verdade vos digo:

O cara é feio;
O cara é pobre;
O cara é analfabeto;
O cara é pecador;
O cara é/foi alcoolatra;

Por fim, o cara é tudo isso ai descrito no texto, e no final, diz a crente do texto:

Se não aceitar Jesus você vai pro inferno...

Eu acho esse sistema injusto!

Gesis disse...

Oiê!
Ontem só consegui comentar este post os outros não abriam essa caixinha aqui...
Beijos

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails